À PROCURA DE SI. UM CAMINHO À SABEDORIA E À AMIZADE COM DEUS

11/10/2012 12:25

À PROCURA DE SI. UM CAMINHO À SABEDORIA E À AMIZADE COM DEUS

 

Pe. Rogério Gomes, C.Ss.R[1]

 

Um homem queria muito experimentar Deus. Dentro de si, uma grande angústia e muitas noites escuras e tempestuosas. No seu interior, uma dor profunda, muitos questionamentos, falta de fé. Não se achava digno nem de existir. Olhava a sua vida e não a sentia com profundidade. Certo dia, saiu a caminhar por uma longa estrada. Caminhou tanto e chegou à beira de um rio transbordante. Sob as águas, enormes troncos boiavam. Ao ver aquela cena, sentiu que era como um tronco na superfície da vida, pois nunca tinha feito uma experiência profunda de si mesmo, jamais tinha conhecido as suas águas mais profundas, turvas, lamacentas nem a sua limpidez e o frescor que as possuía. Era alguém estático, imóvel perante si mesmo.

Ao caminhar pela margem do rio encontrou uma cabana e um velhinho encarquilhado. O senhor o fitou profunda e serenamente e perguntou: O que procura? O rapaz respondeu: Nada! Apenas estou desnorteado e busco o caminho de minha casa. O ancião em silêncio, sorriu e disse-lhe: nada?! O nada que procura está dentro de você! O jovem assustou-se e não entendeu. Respondeu: mas eu disse que não procuro nada! O sábio respondeu: infeliz é o homem que não procura o nada de si, porque nunca encontrará o seu tudo e o caminho de volta a sua casa...  Perguntou-lhe o jovem: Por que me interroga tanto assim? Não passa de um ancião no meio de uma mata! Como você chama? Respondeu-lhe o ancião: eu me chamo Sophos e aqui vivo muito tempo. Somente poucos conseguem me encontrar e você é privilegiado, mas antes deve perder a sua arrogância, a prepotência e o egoísmo. Deve-se tornar nada, terra. Caso contrário, não conseguirá encontrar o caminho de volta e perder-se-á para sempre. Quem é você, meu jovem? Perguntou-lhe: eu me chamo Teófilo. Sophos interrogou-lhe: por que não cumpre sua essência? E o que é a minha essência, replicou Teófilo? Sophos disse-lhe: encontrar o seu tudo. Por que não deixa que o seu tudo o encontre?

Teófilo estava irritado com Sophos que por várias vezes lhe perguntou: como você se chama? Qual a sua identidade? Por que não permite ser você mesmo? E por que insiste em fazer os caminhos que lhe ensinaram? Qual o seu caminho? Teófilo tentou fugir, mas Sophos falou: não fuja de si mesmo! Se o fizer matar-se-á a si mesmo! Enquanto você não lutar contra si mesmo e vencer suas divisões interiores, curar suas feridas compreender o seu nada não encontrará o seu tudo. O seu tudo está tão perto e você não consegue captá-lo. Você sempre olhou para si e nunca ao seu redor e esmagou a verdade de si mesmo. Olhe para dentro de si com transparência!

Teófilo chorou: isto é impossível! Sophos disse-lhe: nasça de novo, conceba novas ideias, busque o que perdeu! Você não tem identidade, é apenas massa amorfa. Nasça de novo, contemple tudo ao seu redor, olhe as estrelas, a lua e permita que elas iluminem a suas trevas interiores até que o sol desperte em você. Procure pelo Absoluto que está ao seu redor. Por que se perde em si mesmo? Por que mente para si, precisa buscar a verdade de si, porque somente assim conseguirá nascer de novo e o sol brilhará. Agora, volte e encontre a sua casa...

Teófilo sentia medo. O ancião o tomou pela mão e ordenou-lhe: Vá e ao longo do caminho nasça de novo e encontre o que procura. Teófilo saiu a caminhar e a cada passo deixava passar pelo coração tudo de si. De repente perguntou-se: Por que me chamo Teófilo? Por que aquele homem me interpelava a nascer de novo? Agora sei, nascer de novo é descobrir a profundidade que carrego em mim, a minha identidade. Sou Teófilo, amigo de Deus. Ser amigo de Deus é encontrar o meu Tudo, é nascer de novo, vislumbrar o sol que brilha em mim, é ser nada para que o Tudo de Deus me preencha e me envolva.

Teófilo voltou ao casebre para encontrar Sofhos e agradecê-lo. Ao chegar lá encontrou uma inscrição. O Sophos está dentro de você mesmo à medida que você vai se tornando Teófilo!

 



[1] Redentorista. Formação em espiritualidade, Mestre e doutorando em Teologia Moral e Bioética pela Accademia Alfonsiana, Roma.